Home / Angola / Angola pede “urgência” na mobilidade de pessoas na CPLP

Angola pede “urgência” na mobilidade de pessoas na CPLP

O Presidente angolano pediu hoje em Cabo Verde “atenção e alguma urgência” para a concretização da mobilidade dos cidadãos lusófonos, enquanto o chefe de Estado moçambicano reclamou a total circulação de pessoas, bens e capitais.

“Tenho consciência da complexidade de alguns temas, um em particular, a mobilidade dos cidadãos”, afirmou João Lourenço, no encerramento da XII conferência de chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Santa Maria, ilha do Sal.

O Presidente angolano defendeu que os países lusófonos devem debruçar-se “com atenção e até com alguma urgência para que a CPLP seja uma organização em que não só a língua e a cultura sejam fatores de aproximação, como, fundamentalmente, a circulação dos cidadãos entre os Estados-membros”.

“Os nossos cidadãos devem perceber que vale a pena fazer parte da comunidade, não só pelos atos de cooperação que vamos realizando aqui e ali, mas principalmente pelas vantagens diretas e até pessoais que poderão obter do facto de estarem inseridos nesta comunidade”, salientou.

Também o chefe de Estado moçambicano abordou o tema da mobilidade na sua intervenção: “Um dos assuntos que muito nos tem interessado na relação comunitária é a ligação entre os povos que se consubstancia na capacidade de assegurar facilidades nas nossas relações para que se assegure o bem-estar”.

“Trata-se de facilitar a circulação de pessoas, bens e capitais no seio da nossa comunidade, o que implica que cada um dos nossos países tomem medidas concretas e recíprocas para que os nossos cidadãos gozem de isenção ou facilidade na obtenção de vistos”, referiu Filipe Nyusi.

O Presidente de Moçambique disse ver “com apreço” que já hoje seja facilitada a circulação de pessoas para detentores de passaportes normais ou para determinadas categorias de cidadãos, mas deixou um alerta.

“É intenção final dos nossos povos que a livre circulação seja sem classificação social e em igualdade de circunstâncias”, destacou.

pub