Home / Portugal / Política PT / Governo anuncia o aluguer de 50 meios aéreos para o combate a incêndios

Governo anuncia o aluguer de 50 meios aéreos para o combate a incêndios

No dia em que começa o nível 2 do período de combate aos fogos, só estão disponíveis treze dos 32 meios aéreos previstos

Só treze dos 32 meios aéreos previstos para a fase reforçada (nível II) de combate aos fogos, que começa hoje, estão disponíveis a partir desta data, admitiu o Governo esta terça-feira.

Em comunicado, o Ministério da Administração Interna (MAI) confirmou que a partir de hoje estão disponíveis 13 helicópteros e também que 12 aviões foram já contratados.

O MAI indica ainda que o Governo assegurou já a contratação de mais de 28 meios aéreos (helicópteros ligeiros e médios), através de quatro empresas, encontrando-se assim garantido o aluguer dos 50 meios aéreos previstos para o Dispositivo Especial de Combate aos Incêndios Rurais (DECIR) 2018.

“Os meios serão disponibilizados à medida que forem sendo concluídos os procedimentos”, é referido na nota.

O DECIR, que anteriormente se chamava “fase Bravo”, entra a partir de hoje em vigor no nível de empenhamento reforçado (nível II), que se mantém até 31 de maio.

O MAI adianta que o “empenhamento reforçado implica, de imediato, o incremento dos meios disponibilizados por parte das forças e serviços que integram o Dispositivo, sendo compostos por 6.290 operacionais, organizados em 1.473 equipas, e 1.441 viaturas”.

O dispositivo integra também 72 postos de vigia, que asseguram a capacidade de vigilância e deteção de fogos florestais.

Estes recursos são provenientes dos Corpos de Bombeiros, da Força Especial de Bombeiros da Autoridade Nacional da Proteção Civil, do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente da GNR, do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR, da PSP, dos Sapadores Florestais e do Corpo Nacional de Agentes Florestais do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas.

Este ano, as fases de combate a incêndios foram substituídas por níveis de prontidão, passando o dispositivo a estar permanente ao longo do ano e reforçado entre 15 de maio e 31 de outubro.

De acordo com a Diretiva Operacional Nacional (DON), o maior reforço de meios está previsto para os meses de junho e outubro, mas continua a ser entre julho e setembro, conhecida pela fase mais crítica de incêndios, o período que mobiliza o maior dispositivo.

pub