Home / Portugal / Às 6h34 entre a perda de sinal do radar e os corpos encontrados sem vida

Às 6h34 entre a perda de sinal do radar e os corpos encontrados sem vida

relatório preliminar da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), divulgado esta terça-feira, aponta várias falhas nos procedimentos de várias entidades. As conclusões já levaram memso o Presidente da República a afirmar que “quatro falhas são demais” e que “o Estado falhou”. Confira aqui, minuto a minuto, toda a operação, desde que o aparelho desapareceu do radar, até que os corpos e os destroços do helicóptero foram encontrados.

Sábado, 15 de dezembro
18h55
Perda de sinal radar, segundo a nota de imprensa da NAV Portugal

18h57
Alerta 112 através de rede de telemóvel com a seguinte descrição: “Origem informa que ouviu um helicóptero ou aeronave na zona da Serra de Santa Justa e Serra da Pia. Entretanto ouviu um estrondo, uma explosão, não sabe dar mais dados.”

Informação transmitida à Polícia de Segurança Pública, segundo o 112

19h14
Indefinição acerca da área de atuação – PSP ou GNR. Informação transmitida à GNR, pelo 112

19h16
Despacho de meios da GNR

19h21
Início das tentativas de contacto com a aeronave pela NAV:

– Aeródromo de Baltar;

– Telemóveis da tripulação;

– Aeródromo de destino – Macedo de Cavaleiros

– Heliporto de Massarelos através de contacto com a PSP;

– Bombeiros de Valongo

– PSP de Valongo

Tentativa de contacto com CDOS do Porto, Braga e Vila Real.

O que dizem as conclusões: “A NAV Portugal desenvolveu, entre as 19h20 e as 19h40, as suas próprias diligências, em detrimento do cumprimento do estipulado na Diretiva Operacional Nacional n.º 4 – Dispositivo Integrado de Resposta a Acidentes com Aeronaves”

19h21
Despacho dos meios da PSP

19h32
Registo de informação, pelo 112, que “CP percorreu área da jurisdição da PSP nada de anormal foi detetado”

19h40
NAV contacta com Rescue Coordination Center (RCC)

19h57
Segundo despacho de meios da PSP

RCC Lisboa contacta CNOS (Comando Nacional de Operações de Socorro) a solicitar informação sobre aeronave HELISUL 203 (INEM) com rota de Massarelos para Baltar, que não reporta desde as 18h30.

CNOS informa que aeronave não pertence à ANPC (Autoridade Nacional de Proteção Civil)

20h00
Contactado o CDOS do Porto, CNOS interroga se a aeronave aterrou em Baltar ou Massarelos

O que dizem as conclusões: “O CDOS do Porto, segundo os registos de chamadas fornecidos pela RNSI, foi alvo de 6 tentativas de contacto telefónico, sendo que apenas uma delas foi abandonada antes do atendimento”

20h05
Confirmação do CDOS do Porto que o helicóptero não se encontra nos CMA de Baltar ou Massarelos e que o CB de Valongo não possui informação do acontecimento.

CODU informa 112 que não tem informação da aeronave desde as 18h00.

20h12
CNOS contacta com CODU para obter mais informação. CODU informa que a aeronave se encontrava a fazer uma evacuação de Macedo para Baltar, desconhecendo o seu paradeiro.

Com base na informação do RCC é aberto no SADO a ficha de ocorrência nº 2018000000262

CNOS informa CAS que contacta com o CODIS do Porto para avaliar a situação

O que dizem as conclusões: “O contacto com o Rescue Cordination Center (RCC), da Força Aérea Portuguesa, para a identificação de um possível acidente com uma aeronave, tanto por parte da NAV Portugal como do CONOR (112), não foi efetuado com a necessária tempestividade, podendo ter comprometido o tempo de resposta dos meios de busca e salvamento.”

20h14
Novo alerta para 112, indicando que a localização da ocorrência se encontraria entre Serra de Pias e Santa Justa, na entrada junto ao Hospital de S. Martinho de Campo, próximo da Aldeia de Couces.

O que dizem as conclusões: “Após o contacto de cidadãos, o CONOR (112) não alertou o CDOS do Porto, dando preferência ao despacho de meios das forças de segurança e não encetou diligências junto da ANPC para restringir a área de busca”

20h15
Torre Controlo do Aeroporto Sá Carneiro informa que o helicóptero Heli Sul 203 saiu de Massarelos às 18h37, sendo avistado no radar por volta das 18h50 a sul de Valongo. Desde aquela altura que não foi possível obter quaisquer contactos (via rádio e/ou telemóvel).

20h19
CODU Porto informa CNOS de contacto de cidadão que afirma ter visto a aeronave e posteriormente ouvido um estrondo, perto do Hospital de São Martinho (Valongo), junto a Aldeia de Couce, entre a Serra de Pias e a Serra de Santa Justa.

20h21
CNOS, através do OFOPE contacta Oficial de Ligação do INEM para reporte de POSIT. Este desconhecia a ocorrência

INEM
Queda de helicóptero do INEM. “Quatro falhas são demais”, diz Marcelo Rebelo de Sousa
20h24
CDOS contacta CONOR (112) a fim de verificar se existia alerta para queda da aeronave

CONOR confirma alerta e informa que irá migrar informação para o SADO.

Com a migração da informação do CONOR é aberto automaticamente no SADO a ficha de ocorrência n.º2018130201045.

A descrição inicial da ocorrência contém a seguinte informação:

“REDE MOVEL: 1341102808273306

— Consequências —

——– Ocorrências Não Tipificadas / Não Caracterizadas

— Agências a envolver —

——– AMN

——– GNR

——– PSP

— Agências de atendimento especializado —

— Respostas —

Breve descrição da ocorrência: ORIGEM INFORMA QUE OUVIU UM HELICOPTERO OU AERONAVE NA ZONA DA SERRA DE SANTA JUSTA E SERRA DA PIA. ENTRETANTO OUVIU UM ESTRONDO, UMA EXPLOSAO, NAO SABE DAR MAIS DADOS

Notas: CARECE DE CONFIRMAÇÃO, UM EVENTUAL ACIDENTE AEREO

ORIGEM DA CHAMDA ESTÁ A TRABALHAR NA RUA DE FERVENCA EM CAMPO – VALONGO

NA EMPRESA JOAQUIM MARQUES E FILHO, LDA NA PRESENCA DE MAIS DOIS COLEGAS DE TRABALHO QUE CONFIRMAM O BARULHO

ÁREA GNR

FEITA CÓPIA PARA GNR ATENDENDO A ZONA DA SERRA DA PIA SER DA SUA COMPETENCIA

CP PERCORREU ÁREA DA JURISDIÇÃO DA PSP NADA DE ANORMAL FOI DETECTADO

INFO CODU: HELI DO CODU ENCONTRA-SE DESAPARECIDO

DESDE AS 18:00 – IRIA ABASTECER EM BALTAR ENTRE SERRA DE PIAS E SANTA JUSTA ENTRADA JUNTO AO HOSPITAL DE S MARTINHO DE CAMPO” ALDEIA DE COUCES

20h25
CDOS Porto informou CNOS de ter sido informado o Corpo de Bombeiros de Valongo e solicitado para eles iniciarem as operações de busca. CDOS contactou Aeroporto Sá Carneiro para solicitar coordenadas do último contacto de radar.

ACIDENTE
Falha nas comunicações pode ter “comprometido” socorro
20h30
Informação das coordenadas do último contacto de radar, por parte do Aeroporto de Sá Carneiro

20h33
Novo contacto de cidadão para identificação de possível acidente com aeronave, zona de Campo/Valongo.

20h39
Notificação SMS à Tutela, Presidência, Estrutura Operacional e Divisão de Comunicação e Sensibilização

20h46
Tentativa de contacto com o piloto através de telemóvel

21h10
Informação que EH101 da FAP vai ser ativado para o local

CNOS solicita Altice para iniciar tentativas de geolocalização dos telemóveis da tripulação

21h11
CNOS notifica Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e Acidentes Ferroviários

21h40
GNR informa CDOS que foi feito tentativa de geolocalização do telemóvel do piloto que o localiza no Hospital S. Francisco Xavier, em Lisboa.

21h48
A pedido da Altice, o CNOS contacta com a Polícia Judiciária para providenciar autorização para a geolocalização dos telemóveis da tripulação

22h15
Informação da hora estimada de chegada do EH101 ao Teatro de Operações (TO)

22h22
Informação do local de montagem do Posto de Comando – Campo de Futebol da Azenha

O que dizem as conclusões: “As condições meteorológicas sentidas na tarde/noite do acidente e a orografia do terreno foram fatores condicionantes para o desenvolvimento das buscas desde a chegada dos primeiros meios ao Teatro de Operações”

22h25
CDOS solicita ao CODU o número ISI do rádio SIRESP a bordo da aeronave para georreferenciação.

22h58
CNOS envia da informação da georreferenciação dos telemóveis para: CODIS e RCC

22h58
Setorização do Teatro de Operações

23h44
CODIS do Porto chega ao Teatro de Operações

Domingo, 16 de dezembro
00h08
CODIS do Porto assume COS

00h14
RCC informa que EH101 não consegue operar por falta de condições meteorológicas. Permanece no Porto até melhoria das condições. Previsão de melhoria à 01h00

00h21
CDOS Contacta com REN para avaliação de avarias na rede de distribuição da zona.

00h32
Reporte via SIRESP de que foram encontrados destroços da aeronave

01h29
Encontrada a aeronave e os corpos sem vida da tripulação

01h45
RCC contactado pelo CNOS para informação de que a aeronave já tinha sido encontrada

01h53
CNOS informa Altice e PJ CNOS para informação de que a aeronave já tinha sido encontrada

01h55
Informação do RCC que o EH101 regressará ao Montijo assim que as condições meteorológicas o permitam.

01h59
CNOS informa GPIAAF da localização do helicóptero e confirmação de 4 cadáveres

05h07
Transferência de responsabilidade da GNR para a PSP e desmobilizados meios da GNR

06h39
CNOS informa MNE da identidade do médico espanhol que seguia na aeronave

07h18
Mudança da localização do posto de Comando para junto da Igreja de Santa Justa

08h21
Chegada do GPIAAF ao Teatro de Operações

10h28
Retirada de 2 corpos

10h44
Retirada de 1 corpo

11h22
Retirada do último corpo

12h48
Corpos transportados para o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses do Porto

14h47
Posto de Comando desmobilizado

18h38
Desmobilização de todos os meios do Teatro de Operações

19h47
Ocorrência encerrada

Que outros inquéritos e relatórios vai haver?
Este é o primeiro – e preliminar – de vários relatórios que se seguem e que tentarão apurar as causas do acidente, bem como a resposta das autoridades e dos meios de socorro disponíveis.

Haverá ainda as conclusões do inquérito pedido pelo Ministério da Administração Interna à Autoridade Nacional de Proteção Civil. Um relatório final que deverá partir das conclusões do preliminar já revelado e, segundo o ministro Eduardo Cabrita, envolve todas as entidades (Força Aérea, a NAV, a PSP, a GNR, a Comissão Distrital de Proteção Civil do Porto e a Câmara Municipal de Valongo) e “tem que ver com o aperfeiçoamento dos mecanismos de interligação”.

Operação de resgate do helicóptero, na zona de Valongo© José Carmo/ Global Imagens
O Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) também irá apresentar um relatório, mas aqui centrando-se nas causas do acidente. Os técnicos deste organismo estiveram no local, onde iniciaram as perícias e a recolha de dados. As suas conclusões também devem interessar ao MP, embora este gabinete funcione de forma autónoma e as suas investigações têm como objetivo único a “prevenção de futuros acidentes e incidentes, sem apurar culpas nem imputar responsabilidades”.

O Ministério Público tem inquérito aberto, por obrigação legal devido à existência de vítimas mortais. O Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto tem a cargo este inquérito que visa apurar as circunstâncias em que ocorreu o acidente. Será aqui que se irá averiguar se há matéria criminal em causa. O relatório preliminar já divulgado pela ANPC já está na posse do DIAP do Porto. Mas o inquérito não visará apenas as eventuais falhas no socorro mas procurará determinar as causas do acidente e as suas circunstâncias.

pub