Home / Desporto / Dois autogolos ditam derrota do Benfica numa péssima exibição

Dois autogolos ditam derrota do Benfica numa péssima exibição

Encarnados podem acabar a jornada em 4.º lugar e arriscam ficar a 7 pontos da liderança.

Rúben Dias e Jardel foram os rostos da infelicidade e falta de inspiração do Benfica, que saiu de Portimão com uma derrota construída com autogolos dos dois centrais.

O ano começou de forma trágica para o Benfica. No Algarve, as águias viveram uma noite de pesadelo e saíram derrotadas, por 2-0, pelo Portimonense, num jogo de infelicidade, azar e uma incapacidade tremenda para impor o seu futebol e criar reais oportunidades de golo.

Rui Vitória tinha prometido e cumpriu. Os encarnados entraram na máxima força, com os regressados Vlachodimos, Grimaldo e Jonas, mas foram os algarvios a demonstrar sempre maior confiança, determinação e, sobretudo, qualidade de jogo. Logo aos 12′ minutos, Manafá fez jus à tremenda velocidade que é já uma espécie de ‘cartão’ de visita, ultrapassou Zivkovic e cruzou para o primeiro poste, onde surgiu Rúben Dias, de carrinho, a desviar para a própria baliza.

Era o primeiro sinal de azar para o clube da Luz, que nunca conseguiu criar verdadeiras ocasiões de golo no primeiro tempo. Os únicos lances que mais se assemelharam a isso foram protagonizados por Jonas, que, com classe, tirou um adversário da frente e testou a atenção de Ricardo Ferreira (18′) e Jardel, que, com um desvio subtil, permitiu ao guarda-redes algarvio uma intervenção fácil (26′).

Curiosamente seria mesmo o capitão a marcar mas… novamente na baliza errada. Depois de Rúben Dias, o brasileiro também errou de forma clamorosa. Nakajima, que foi um ‘quebra-cabeças’ para a formação benfiquista, lançou Jackson Martínez e o colombiano, depois de passar a bola por cima de Vlachodimos, viu Jardel, com uma abordagem incrível ao lance, cabecear a bola para o fundo das redes.

Rui Vitória mostrava-se incrédulo no banco de suplentes e ao intervalo promoveu duas alterações, com as entradas de Salvio e Seferovic para os lugares de Cervi e Gedson. O Benfica melhorou, impôs maior velocidade ao seu jogo e as oportunidades surgiram. Aos 54′, Pizzi desmarcou Grimaldo e o lateral espanhol só não reduziu a desvantagem porque a bola desviou num defesa algarvio.

Contudo, esta maior preponderância ofensiva descurou o setor recuado e o Portimonense aproveitou para ameaçar o terceiro, algo que só não aconteceu porque Vlachodimos, com duas belas defesas, negou a golo a Manafá, aos 55′, e a Paulinho, aos 67′. Se a vida já estava muito complicada para o Benfica, mais ficou após o minuto 71′, altura em que Ricardo Ferreira chocou com Jonas. O árbitro Manuel Mota foi rever as imagens e decidiu mostrar o cartão vermelho direto ao avançado brasileiro.

Até ao final, Vlachodimos ainda negou de novo o golo à equipa de António Folha, que acabou por entrar no novo ano com um feito notável: Foi a primeira vez que venceu o Benfica. A contestação e os lenços brancos subiram de tom à saída da equipa encarnada para os balneários.

pub