Home / Brasil / “Racista, homofóbico, misógino e pró-ditadura. Ainda assim, seduz Brasil”

“Racista, homofóbico, misógino e pró-ditadura. Ainda assim, seduz Brasil”

Jornal francês dedica a capa da edição desta sexta-feira ao polémico candidato presidencial Jair Bolsonaro, o preferido dos eleitores para vencer as eleições no Brasil.

O Brasil vai a votos já este domingo e as sondagens têm colocado o candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro, cada vez mais lançado com 35% das intenções de voto para vencer a primeira volta das presidenciais no país, contra 22% de Fernando Haddad, o segundo colocado.

Apesar de continuar a subir nas intenções de voto, o candidato polémico é alvo de críticas e de manifestações, inclusive fora das fronteiras do país, sendo disso exemplo o movimento #Elenão, movimento a que se associaram deputadas portuguesas.

O Libèration dedica esta sexta-feira a capa às presidenciais no Brasil e ao candidato polémico. “Racista, homofóbico, misógino e pró-ditadura. E ainda assim, seduz o Brasil”, escreve a publicação na capa, ilustrada com a fotografia de Jair Bolsonaro.

Cerca de 147 milhões de brasileiros estão aptos a votar na primeira volta das presidenciais que acontece neste domingo. A segunda volta acontece a 28 de outubro. Flávio Martins, que é conselheiro eleito pelo Brasil, afirmou esta sexta-feira que “a grande maioria”, 80 % da comunidade portuguesa vai votar em Jair Bolsonaro.

O presidente do órgão representativo dos portugueses emigrantes acredita que a concentração das intenções de voto no candidato da extrema-direita se deve, em parte, à insegurança sentida, ao “descontentamento geral com os partidos políticos tradicionais”, mas também por questões históricas.

Flávio Martins comparou ainda Jair Bolsonaro ao ex-governante português António de Oliveira Salazar. “A nossa comunidade, infelizmente, gosta mesmo de alguém que exiba muita força e que seja um novo Salazar, ou algo parecido. Infelizmente, eu acho que o que vai acontecer é ele (Bolsonaro) ter um grande apoio da quase totalidade das nossas comunidades aqui no Brasil”, afirmou.

pub