Home / Portugal / Rosa Grilo e Diana Fialho tornam-se amigas na cadeia de Tires

Rosa Grilo e Diana Fialho tornam-se amigas na cadeia de Tires

Rosa Grilo e Diana Fialho, suspeitas de assassínio, a primeira do marido em conluio com o amante e a segunda da mãe adotiva com o marido, tornaram-se amigas e confidentes na prisão.

A noticia é avançada esta quarta-feira pelo jornal digital “Cascais24”, segundo o qual as duas mulheres, detidas no Estabelecimento Prisional de Tires, passam a cerca de uma hora de recreio por dia juntas, afastadas das restantes reclusas.

Ambas encenaram desaparecimentos, que nunca terão existido, das suas vítimas, além de que, enquanto em liberdade, antes de serem detidas, fizeram questão de dar entrevistas às televisões e aos jornais, a primeira como uma mulher fiel, em desespero com o desaparecimento “misterioso” do seu marido, que até tinha saído de casa para fazer treino de ciclismo, e a segunda com a saída da mãe de casas, um sábado, à noite, talvez para tomar café com alguma amiga.

Rosa Grilo, 42 anos, é suspeita de, em coautoria com o alegado amante, o oficial de Justiça António Félix Joaquim, também ele em prisão preventiva, ter matado o marido, o triatleta Luís Miguel Grilo e, posteriormente, abandonado o corpo na região de Avis, no Alentejo.

Já com o marido morto, a tiro, Rosa Grilo mostrou-se incansável na distribuição de panfletos, que davam a vítima como desaparecida.

Também Diana Fialho, 23 anos, filha adotiva da professora de físico-química Amélia Fialho, adotou o mesmo “modus operandi”.

A professora, de 59 anos, foi morta à martelada depois de drogada no seu domicílio, no Montijo e, posteriormente, levada para um descampado, em Pegões, onde o corpo foi incendiado.

Diana Fialho espalhou panfletos pelo Montijo, a anunciar o desaparecimento da mãe adotiva e, inventando cenários que, à semelhança de Rosa Grilo, foram desmontados pelas investigações dos inspetores da Polícia Judiciária

pub